titulo

SustentHabilidade

Opinião e realizações

sábado, 29 de maio de 2010

Chineses mais uma vez no RN esta semana.

Delegação empresarial da província de Henan interessada no potencial eólico do RN

Nesta segunda-feira, o RN receberá a segunda visita de uma delegação chinesa da província de Henan em menos de 15 dias.

A nova visita, desta vez de caráter mais empresarial que governamental, será liderada pelo Sr. Yang Xuebin, Vice Diretor da Comissão de Desenvolvimento e Reforma da Província de Henan (CDRPH) em conjunto com técnicos e executivos da empresa XJ Group Corporation. A XJ é subsidiária da gigante estatal de energia elétrica State Grid Corporation of China, que acabou de ingressar no Brasil por meio da compra do controle acionário do grupo espanhol Plena Transmissoras.

Um dos principais atrativos para o interesse chinês no RN tem sido o sucesso dos projetos eólicos desenvolvidos no Estado. Uma das principais indústrias da província de Henan é a fábrica de aerogeradores da XJ na cidade de Xuchang, construída em cooperação técnica com um grupo empresarial norte-americano e que produz mais de 1,20o turbinas por ano (o equivalente a cerca de 1000MW em capacidade de gerar energia). A empresa emprega mais de 5.000 pessoas apenas nesta fábrica.

Na semana passada, o Rio Grande do Norte já havia recebido pela primeira vez uma Delegação Governamental da Província de Henan, China. As reuniões com o Governo de Henan resultaram na assinatura de uma Primeira Ata de Reunião Conjunta de Trabalho entre o Secretaria de Desenvolvimento do RN e a Comissão de Reforma e Desenvolvimento daquela Província.

"O RN tem diante de si uma oportunidade única para atrair investimentos fundamentais nas áreas de energia eólica, equipamentos de transmissão, investimentos em tecnologia, entre outras - o que demanda de todos nós a necessária articulação e atenção à Delegação de Henan que chegará amanhã ao RN" diz o ex-Secretário de Energia e Assuntos Internacionais do Estado, atualmente diretor geral do CERNE - Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia, sediado em Natal, que articulou as duas visitas.

O interesse básico da Delegação é estabelecer os laços de amizade e cooperação entre a Província de Henan e o Estado do Rio Grande do Norte, inicialmente nas áreas de energia renovável, em particular eólica e solar, incluindo a cooperação tecnológica, bem como oportunidades e projetos na área de infraestrutura (portos, terminais e aeroportos) podem ser de grande interesse.

A Província de Henan pretende fortalecer os laços de amizade e cooperação com o RN, inclusive com a celebração e protocolos de intenção e acordos de cooperação entre Estados e Cidades Irmãs.

Além da fabricação de turbinas, outro dos principais desafios para desenvolver energia eólica na China (que é de dimensão continental), o foco é a transmissão. O crescimento do setor no país é exponencial: os chineses irão atingir a meta de 2020 (30GW), oito anos antes do previsto inicialmente. Em 2020, terão instalado mais MW eólicos do que havia instalado em todo o mundo em 2007.

Também fica em Henan o laboratório nacional de produção de sílica especial para painéis solares, na cidade de Luoyang, Henan, que conta com investimento governamental da ordem de 2.19 milhões de dólares. Isso resultou na instalação de mais de 50 empresas industrializadoras de sílica policristalina silicon nas províncias de Sichuan, Yunnan, Henan and Jiangsu.

Os contatos com a província chinesa foram iniciados através da Secretaria de Energia e Assuntos Internacionais do Governo do Estado em novembro do ano passado. Dentro de uma estratégia de aproximação gradual e planejada, foi realizado em março o 1o Workshop de Negócios RN-China que contou também com o apoio da FIERN. Em seguida, foi realizado um diagnóstico de afinidades entre o RN e algumas regiões específicas da China (entre elas, Henan). Prates explica que foi necessário escolher algumas áreas de interesse e regiões (províncias) com interesses similares e/ou complementares. "Diante das dimensões e da variedade de interesses daquele país em face do nosso estado, é fundamental definir o foco das negociações de ante-mão, senão naturalmente a gente perde o contato e nada se realiza de concreto" - explica.

Após as reuniões desta semana, será firmada uma segunda ata de trabalho, registrando o início dos contatos entre empresários chineses e brasileiros, no âmbito da cooperação empresarial prevista no primeiro acordo e especificando ações relativas ao setor energético do Estado.

Perfil Empresarial: http://xj-group.fuzing.com
Website da empresa: http://www.xjiec.com/index.asp
Laboratorio: http://www.sino-si.com/eng/Home.aspx


"MME vê chineses no setor elétrico com tranquilidade"
Por Alessandra Saraiva, Agencia Estado

A entrada dos chineses no setor elétrico do País é vista com tranquilidade pelo ministério das Minas e Energia e pela Eletrobrás. Recentemente, a estatal State Grid Corporation of China, uma das maiores companhia de transmissão e distribuição de energia chinesa, comprou o controle de algumas empresas da Plena Transmissoras, controlada pelas espanholas Elecnor, Isolux e Cobra, que participam de leilões de linhas de transmissão no País.

Para o ministro das Minas e Energia, Márcio Zimmermann, o mercado brasileiro tem regras claras no setor de transmissão, o que atrai os estrangeiros. Para ele, caso os chineses não desrespeitem nenhum tipo de regra no setor, "faz parte do jogo" a chegada de outros competidores. Já o diretor de Planejamento e Engenharia da Eletrobras, Valter Cardeal, também afirmou que vê "com naturalidade" a chegada dos chineses. "É mais um player que vem competir", afirmou.

Porém, tanto Zimmermann quanto Cardeal afirmaram que os chineses não devem participar do próximo leilão de linhas de transmissão, a ser realizado em 11 de junho. Eles explicam que o prazo para entrega de documentação já foi finalizado, e novos players não poderiam mais entrar neste leilão. "Talvez no próximo leilão de linhas, a ser realizado no segundo semestre (ocorra a participação dos chineses)", aventou Cardeal.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Colóquio Solar Brasileiro em Natal (RN) debate alternativas para esta fonte de energia. Evento acontecerá no dia 12 de maio.

Especialistas reunidos em Natal buscam soluções para ampliar geração solar na matriz energética

Depois da primeira etapa de debates que aconteceu no dia 28 de abril, em São Paulo, na Conferência Nacional para Energia Solar, o Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (CERNE) e a Viex Americas, realizarão na próxima quarta-feira, dia 12 de maio, em Natal, o "Colóquio Solar Brasileiro" - com o apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Norte, APMPE, ABTC, Bloomberg e diversas entidades setoriais e veículos especializados.

Esta etapa, que tem o objetivo de estabelecer diretrizes para estimular o aumento da geração solar na matriz energética do país, envolve uma reunião fechada com a participação de representantes do governo e de grandes empresas de energia, especialistas, pesquisadores e investidores internacionais.

O programa do colóquio abordará temas como "status atual e desafios da energia solar no Brasil"; "propostas e viabilidade de projetos de energia solar"; e "aplicações e casos concretos de energia solar". O resultado dos debates será convertido no Relatório de Conclusões e Recomendações, que apontará as alternativas, observando temas como regulação, investimentos, mercado e tecnologia.

A primeira etapa, em São Paulo, reuniu nomes como Jean-Paul Prates, ex-secretário de Energia e Assuntos Internacionais do Estado do Rio Grande do Norte e atual diretor geral do CERNE; Ricardo Baitelo, coordenador de Campanha de Energia do Greenpeace; Francisco Miller, engenheiro de Equipamentos do Cenpes - Petrobras; professor Dr. Celso Oliveira, do Green da Universidade de São Paulo; professor Odivaldo Serafin, da Unesp Botucatu; Carlos Faria, do Studio Equinócio - Solar Energy, Reiner Buck da Agencia aeroespacial alemã.


Evento: Colóquio Solar
Data: 12 de maio
Local: Hotel Sehrs Natal - Rio Grande do Norte

domingo, 2 de maio de 2010

Refinaria de Guamaré está rigorosamente no prazo e batendo recordes de produção

Na semana passada, algumas notas da imprensa mencionaram o compromisso assumido mutuamente em audiência do Governador com o Presidente da Petrobras a "aceleração das obras com vistas a cumprir o cronograma para funcionamento da Refinaria Clara Camarão, em Guamaré".

A respeito, devo registrar os seguintes esclarecimentos:

1. A Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC) já funciona como tal desde outubro do ano passado, quando foi inaugurada a sua conversão para a Diretoria de Refino e Abastecimento da Petrobras e integração das suas unidades pré-existentes, com a presença do Presidente Lula em Guamaré.

2. As expansões, aprimoramentos e demais integrações de unidades industriais encontram-se rigorosamente dentro do cronograma planejado pela Petrobras e objeto de Termo de Compromisso assinado com o Governos do Estado, em 2009.

3. As obras que se encontram em curso neste momento referem-se às instalações marítimas de escoamento e a construção da fábrica de gasolina automotiva - que completará o portifólio de produtos da refinaria.

4. As evoluções de produtividade, a partir da implantação da Refinaria Potiguar Clara Camarão são significativas: antes, a produção do Pólo Guamaré restringia-se aos produtos Diesel e QAV, registrando-se dados médios entre janeiro de 2009 e outubro de 2009 de 37, 5 milhões de litros por mês (produção de diesel) e 6,8 milhões de litros por mês (produção de querosene de aviação - QAV).

5. Atualmente, portanto mesmo antes da finalização das demais plantas, a produção de diesel já chega aos 48 milhões de litros de diesel por mês (média de janeiro, fevereiro, e março de 2010) e 8,8 milhões de litros de QAV por mês (média de janeiro, fevereiro, e março de 2010), com os ajustes operacionais realizados - já superando portanto, as metas de produção anteriormente projetadas para o final das obras de ampliação (final de 2010).


6. O sucesso deste processo levou ao estabelecimento de uma nova meta para ser atingida ao final das obras de ampliação, em dezembro de 2010: 50 milhões de litros de diesel por mês e de 10 milhões de litros de QAV por mês.

7. O dever cumprido, durante a gestão à frente da Secretaria de Energia do Estado, foi o de propiciar todo o apoio e cooperação à Petrobras, na pessoa do Gerente da RPCC Ney Argolo e de sua equipe técnica, conforme estabelecido no Termo de Compromisso assinado.

sábado, 1 de maio de 2010

.