titulo

SustentHabilidade

Opinião e realizações

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Repercussão nacional da liderança potiguar em eólica

Os jornais O Globo, Valor Econômico e Folha de São Paulo destacaram ontem e hoje a liderança do Estado do Rio Grande do Norte em projetos eólicos inscritos no Leilão Federal específico de 25 de novembro.
_________________________________________________

EPE cadastra 441 projetos para leilão de energia eólica

RIO - A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) cadastrou 441 projetos para o leilão de energia eólica, que será realizado em 25 de novembro. Juntos, os empreendimentos somam capacidade instalada de 13.341 megawatts e estão espalhados por 11 Estados do país.

A maior parte dos projetos inscritos para o leilão é projetada para instalação no Nordeste. A região receberá 322 empreendimentos, o equivalente a 73% do total, com 9.549 megawatts de potência instalada, ou 72% do total. O Rio Grande do Norte tem 134 projetos, com 4.745 MW; o Ceará tem 118, com 2.743 MW; e a Bahia vem a seguir, com 51 parques eólicos e capacidade total de 1.575 MW.

A Região Sul vem a seguir, com 111 projetos, ou 25% do total, com capacidade total de 3.594 MW, ou 27% do total. A Região Sudeste tem outros oito projetos, com 198 MW.

Para o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, a decisão do Ministério de reduzir o limite de potência mínima para aerogeradores importados de 2.000 kW para 1.500 kW (portaria nº 242, de 2009) viabilizou o grande número de projetos justamente na faixa entre 1500 e 2000 KW, correspondentes a praticamente 50% do total de inscritos.

O ministro lembrou que, com base numa análise preliminar dos projetos habilitados para o leilão, estima-se que 50% a 60% dos equipamentos sejam nacionais.

"Mesmo não tendo nenhum índice de nacionalização para o certame, nossa expectativa é que a maior parte das máquinas seja fabricada no Brasil", frisou Lobão.

Para o presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, o grande número de empresas interessadas em investir na geração eólica permite antever uma forte competição no leilão, o que propiciará a contratação de energia a preços bastante atrativos para o consumidor.

"O sucesso do leilão está garantido, na medida em que o interesse dos empreendedores superou as expectativas até do mais otimista dos analistas. Basta constatar que o total de capacidade inscrita equivale a cerca de dez usinas nucleares como a de Angra 3", destacou Tolmasquim.

Os Contratos de Energia de Reserva resultantes do leilão serão firmados na modalidade de quantidade de energia elétrica de fonte eólica, com início de suprimento em 1º de julho de 2012 e prazo contratual de fornecimento de 20 anos. Atualmente, o país conta com 386 MW de capacidade instalada da fonte eólica. Até o final de 2009 serão mais 427 MW e, no final de 2010, mais 684 MW, totalizando 1.423 MW.

(Valor Online)

Nenhum comentário:

.