titulo

SustentHabilidade

Opinião e realizações

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Grupo japonês quer fabricar painéis solares no RN

O grupo japonês Hitachi estuda a instalação de uma fábrica de painéis solares no Rio Grande do Norte. Os planos da corporação foram apresentados ontem (06) à tarde pelo diretor-presidente da Hitachi High-Tecnologies do Brasil, Hiroyasu Takeshina, e pelo gerente-geral da empresa no país, Emil Kosuke Seko, durante audiência com o secretário estadual de Energia e Assuntos Internacionais, Jean Paul Prates.

Os executivos da Hitachi enviarão ao Governo do RN nos próximos dias uma Carta de Interesse formalizando o desejo de se instalarem no Estado. “Vamos formar imediatamente um grupo de trabalho para viabilizar a instalação da fábrica”, disse Prates. Segundo o secretário de Energia, um dos pontos a serem estudados pelo grupo governamental será a viabilidade da extração em solo potiguar de alguns metais, a exemplo do lítio, utilizado como matéria prima na fabricação de painéis solares.

Prates ouviu dos diretores da Hitachi quais as necessidades de infra-estrutura para instalação do grupo no RN e conheceram o projeto de construção do Pólo Industrial para equipamentos voltados a energias renováveis no Estado.

Durante a audiência, Prates apresentou também aos japoneses o projeto do novo aeroporto internacional de São Gonçalo do Amarante.

COLABORAÇÃO - A empresa japonesa se dispôs a colaborar com o Colóquio Solar, evento sobre energia solar que será realizado pela Secretaria Estadual de Energia na primeira semana de junho em Natal.

Hiroyasu Takeshina e Emil Kosuke Seko conhecerão algumas áreas potenciais no Estado e também o centro de processamento de pescados no Porto de Natal nesta quinta (07). Antes, às 9h, eles serão recebidos pelo reitor da Universidade Federal do RN (UFRN), José Ivonildo do Rêgo, onde também tratarão sobre estudos de energia solar.

A Hitachi emprega atualmente mais de 300 mil pessoas em todo o mundo. O grupo atua em áreas como tecnologias da informação, energia, eletrônicos e logística.

Nenhum comentário:

.