titulo

SustentHabilidade

Opinião e realizações

quinta-feira, 9 de abril de 2009

RN quer liderar processo de aproximação Brasil-Coréia.

Seul, Coréia - O Secretário de Energia e Assuntos Internacionais do Estado, Jean-Paul Prates cumpriu hoje uma agenda essencialmente governamental, no seu último dia de missão à Coréia.

Pela manhã, visita e audiência com o Ministro de Economia e Conhecimento da Coréia, o ministério mais importante do País, sob a tutela do qual encontram-se os assuntos energéticos e responsável também pela verdadeira revolução de civilidade e educação que foi impingida à população há mais de 30 anos subsequentemente, transformando um país essencialmente atrasado e agrário numa superpotencia tecnológica e num "tigre asiático" do primeiro escalão.

À tarde, visita oficial ao Parlamento da Coréia, e audiência com os deputados membros da Comissão de Energia e Recursos Naturais, que trouxeram à reunião o Diretor Executivo da KNOC (Korea National Oil Corporation), a "Petrobras" da Coréia.





Nas duas reuniões, a tônica foi como aproximar mais a Coréia do Brasil. Tanto o Ministro quanto os Deputados expressaram preocupação com o fato do Presidente Lee Myung-bak ter feito um recente apelo a todos para que se aproximassem do Brasil – especialmente após visita ao país no final do ano passado.

Após três dias visitando e conversando com as principais empresas da Coréia (Samsung, Hyundai, LG, Daewoo, Doosan, P&P Korea, Korea Gas e KNOC), o Secretário listou o que ouviu como principais dificuldades, e ofereceu o Estado do Rio Grande do Norte para liderar um processo mais intenso de aproximação (como a base de uma ponte) entre os dois países.

Apesar de algumas destas marcas coreanas estarem mais na nossa memória associados a monitores, TV, carros etc., o fato é que, na Coréia, estas mesmas empresas fabricam e fazem praticamente tudo. Assim, existem condomínios de apartamentos e pontes construídas pela Samsung, estaleiros Hyundai e Samsung, roupas LG, redes de hoteis Daewoo, termelétricas e parques eólicos Doosan e Hyundai, e por aí vai.


Segundo o Secretário, o oferecimento de sediar ou liderar uma aproximação com a Coréia, num momento em que eles mesmos estão solicitando isso ao Brasil, servirá para qualificar o RN a sediar novos investimentos em áreas como a geração de energia (especialmente térmicas a gás e parques eólicos), fábricas de equipamentos, informática, construção industrial e naval, além, é claro, de apoio na infra-estrutura para a Copa do Mundo - que a Coréia sediou em condições iniciais bem semelhantes às capitais nordestinas.

"Isso tudo interessa sobremaneira ao Estado, principalmente no que concerne as futuras necessidades de 'rechear' as nossas futuras ZPEs e dar escala ao futuro Aeroporto de São Gonçalo do Amarante. Além disso, o Estado poderá se beneficiar da grande experiência que a Coréia dispõe na construção de estaleiros e portos em áreas de difícil acesso ou calado raso, como é o nosso caso." - assevera Prates.

O processo de aproximação deverá agora ter uma próxima etapa em Julho/Agosto, com a vinda de uma delegação de parlamentares e executivos de grandes corporações coreanas ao Brasil. O Secretário fez questão de incluir Natal e Mossoró no percurso, o que foi prontamente aceito e acordado. Em seguida, haverá a visita do Presidente Lula à Coréia, programada para outubro deste ano.

O Governo do Estado também foi convidado a participar da fundação de um Conselho de Investimentos Recíprocos Coréia-Brasil, que o Congresso e o Governo coreano irão propor ao Brasil, com a participação de membros dos executivos (federais e estaduais), parlamentares e executivos das principais empresas dos dois países.

Nenhum comentário:

.