titulo

SustentHabilidade

Opinião e realizações

quarta-feira, 29 de abril de 2009

CNNe: 100 dias de Obama


Está no site da CNN en Español o link para o especial "Los 100 Primeros Dias de Obama", capítulo Energia, onde a matéria é praticamente sobre o Brasil e as potenciais parcerias com a nova administração estadunidense. O foco é bioenergia.

http://edition.cnn.com/video/#/spanish

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Petrobras confirma implantação de planta industrial de biodiesel no RN

A Petrobras vai instalar uma planta industrial com capacidade para produzir 20 mil toneladas/ano de biodiesel no pólo petrolífero de Guamaré. A confirmação ocorreu durante encontro realizado entre a diretoria da empresa e o secretário de Energia e Assuntos Internacionais do Rio Grande do Norte, Jean-Paul Prates, na sede da estatal, no Rio de Janeiro. Durante a reunião ficou acertado que o termo de compromisso com o Governo do Estado vai ser assinado na primeira quinzena de maio, quando será divulgado o cronograma de obras da planta industrial. A unidade garantirá ao RN a auto-suficiência na produção do combustível.

Segundo Jean-Paul Prates, a Petrobras informou que a planta será construída em dois módulos, sendo o primeiro com capacidade para produzir 9.000 toneladas de biodiesel por ano, previsto para ficar pronto em setembro de 2010. O segundo módulo industrial produzirá mais 11 mil toneladas/ano de biodiesel a partir de 2011, totalizando 20 mil toneladas/ano, volume suficiente para atender toda a demanda local pelo combustível.

O complexo industrial de Guamaré já dispõe de duas unidades experimentais de biodiesel, A UEB-1 (Unidade Experimental de Biodiesel), que produz biodiesel a partir do óleo vegetal desde janeiro de 2005, e a UEB-2, que foi inaugurada em 2006 para o processamento direto a partir de sementes das oleaginosas. Com a instalação da planta, o Rio Grande do Norte passará a produzir o combustível em escala industrial, saindo da condição de importador para auto-suficiente na produção de biodiesel.

A planta de Guamaré vai permitir a produção de Biodiesel em nível B5, óleo diesel convencional com 5% de biodiesel em sua composição, conforme determina a legislação brasileira para os próximos anos. "Estamos, passo a passo, construindo a auto-suficiência do Estado em refino, gás e biodiesel, ficando cada vez mais fortes na área energética", destaca Jean-Paul Prates.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

CNN en Español entrevista

O potencial energético potiguar está despertando o interesse do mundo inteiro. O entrevistado da CNN Español é o secretário estadual de Energia e Assuntos Internacionais, Jean-Paul Prates, que vai fala sobre o potencial energético do Nordeste brasileiro, em especial do Rio Grande do Norte, a partir de fontes alternativas como o vento e as oleaginosas. O programa foi gravado na terça-feira (21) e vai ao ar amanhã, às 10h, 13h e 19h.

O convite foi motivado pela política energética do Governo Obama e as relações que ela tem com o Brasil. Em todo o mundo, é cada vez maior a discussão em torno da diversificação da matriz energética para outras fontes além das hidroelétricas, que em alguns casos têm se mostrado insuficientes para atender à demanda mundial. Vale lembrar, por exemplo, do apagão que o Brasil sofreu há alguns anos em função das secas que atingiram os rios brasileiros que alimentam as hidroelétricas e comprometeram o abastecimento elétrico do país.

Durante a entrevista, o secretário de Energia do Rio Grande do Norte vai apontar os diferenciais do Estado e do Nordeste na geração de energia proveniente de fontes renováveis. "Temos vento, sol e oleaginosas, que durante muito tempo foram consideradas intempéries de uma região pobre, mas que hoje constituem importante riqueza e interesse internacional pela possibilidade de geração de energia, que é pauta mundial", salienta Jean-Paul Prates. A CNN escolheu apenas dois gestores brasileiros para integrar a discussão: o secretário de Energia do RN e o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Diretoria da Petrobrás garantem início das operações da refinaria de Guamaré para 2010

A refinaria de petróleo do Rio Grande do Norte inicia suas operações em agosto de 2010, quando será inaugurada a planta de gasolina automotiva no Pólo Industrial de Guamaré. A informação foi dada hoje (14) à governadora Wilma de Faria pelo diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. No encontro, que ocorreu na sede da empresa no Rio de Janeiro, na manhã desta terça-feira (14), ficou definida para o próximo dia 12 de maio a data de apresentação oficial do cronograma de obras da nova refinaria de petróleo.

A nova refinaria será a 12ª a entrar em operação no país e a oitava maior do Brasil. A unidade vai custar cerca de R$ 340 milhões somente na primeira fase e deverá gerar 700 empregos diretos e até 5 mil indiretos nas indústrias satélites, bases, terminal e transporte.

"A refinaria de petróleo era um sonho antigo do Estado que está se tornando realidade. E o mais importante é que o seu projeto é viável e vai se concretizar em um curto espaço de tempo. A partir do próximo ano, já teremos a nossa tão esperada refinaria que vai gerar mais empregos e desenvolvimento para o Rio Grande do Norte", destacou a governadora.

A unidade de produção de gasolina automotiva será concluída em agosto de 2010 e se somará às plantas industriais existentes em Guamaré, onde são produzidos óleo diesel, querosene de aviação, gás natural, GLP e biodiesel. A capacidade de processamento do Pólo Industrial da cidade será de até 80 mil barris de petróleo por dia, maior que, pelo menos, quatro outras refinarias no país.

O óleo diesel produzido na nova refinaria da Petrobras no Rio Grande do Norte terá o mesmo padrão do combustível adotado pela Europa a partir de 2009. O produto será cerca de 36 vezes menos poluente do que o consumido hoje no Brasil. A unidade potiguar será uma das primeiras do país a produzir o diesel limpo e vai eliminar aquela fumaça preta das ruas e estradas.

Junto com a refinaria potiguar haverá investimentos na implantação de terminais de entrada e saída marítima de produtos na região de Guamaré, inclusive com a necessidade de construção de um duto de cerca de 15km que vai melhorar a logística e escoar a produção da usina.

Durante a audiência no Rio, a governadora estava acompanhada do secretário de Energia e Assuntos Internacionais do RN, Jean Paul Prates.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

RN quer liderar processo de aproximação Brasil-Coréia.

Seul, Coréia - O Secretário de Energia e Assuntos Internacionais do Estado, Jean-Paul Prates cumpriu hoje uma agenda essencialmente governamental, no seu último dia de missão à Coréia.

Pela manhã, visita e audiência com o Ministro de Economia e Conhecimento da Coréia, o ministério mais importante do País, sob a tutela do qual encontram-se os assuntos energéticos e responsável também pela verdadeira revolução de civilidade e educação que foi impingida à população há mais de 30 anos subsequentemente, transformando um país essencialmente atrasado e agrário numa superpotencia tecnológica e num "tigre asiático" do primeiro escalão.

À tarde, visita oficial ao Parlamento da Coréia, e audiência com os deputados membros da Comissão de Energia e Recursos Naturais, que trouxeram à reunião o Diretor Executivo da KNOC (Korea National Oil Corporation), a "Petrobras" da Coréia.





Nas duas reuniões, a tônica foi como aproximar mais a Coréia do Brasil. Tanto o Ministro quanto os Deputados expressaram preocupação com o fato do Presidente Lee Myung-bak ter feito um recente apelo a todos para que se aproximassem do Brasil – especialmente após visita ao país no final do ano passado.

Após três dias visitando e conversando com as principais empresas da Coréia (Samsung, Hyundai, LG, Daewoo, Doosan, P&P Korea, Korea Gas e KNOC), o Secretário listou o que ouviu como principais dificuldades, e ofereceu o Estado do Rio Grande do Norte para liderar um processo mais intenso de aproximação (como a base de uma ponte) entre os dois países.

Apesar de algumas destas marcas coreanas estarem mais na nossa memória associados a monitores, TV, carros etc., o fato é que, na Coréia, estas mesmas empresas fabricam e fazem praticamente tudo. Assim, existem condomínios de apartamentos e pontes construídas pela Samsung, estaleiros Hyundai e Samsung, roupas LG, redes de hoteis Daewoo, termelétricas e parques eólicos Doosan e Hyundai, e por aí vai.


Segundo o Secretário, o oferecimento de sediar ou liderar uma aproximação com a Coréia, num momento em que eles mesmos estão solicitando isso ao Brasil, servirá para qualificar o RN a sediar novos investimentos em áreas como a geração de energia (especialmente térmicas a gás e parques eólicos), fábricas de equipamentos, informática, construção industrial e naval, além, é claro, de apoio na infra-estrutura para a Copa do Mundo - que a Coréia sediou em condições iniciais bem semelhantes às capitais nordestinas.

"Isso tudo interessa sobremaneira ao Estado, principalmente no que concerne as futuras necessidades de 'rechear' as nossas futuras ZPEs e dar escala ao futuro Aeroporto de São Gonçalo do Amarante. Além disso, o Estado poderá se beneficiar da grande experiência que a Coréia dispõe na construção de estaleiros e portos em áreas de difícil acesso ou calado raso, como é o nosso caso." - assevera Prates.

O processo de aproximação deverá agora ter uma próxima etapa em Julho/Agosto, com a vinda de uma delegação de parlamentares e executivos de grandes corporações coreanas ao Brasil. O Secretário fez questão de incluir Natal e Mossoró no percurso, o que foi prontamente aceito e acordado. Em seguida, haverá a visita do Presidente Lula à Coréia, programada para outubro deste ano.

O Governo do Estado também foi convidado a participar da fundação de um Conselho de Investimentos Recíprocos Coréia-Brasil, que o Congresso e o Governo coreano irão propor ao Brasil, com a participação de membros dos executivos (federais e estaduais), parlamentares e executivos das principais empresas dos dois países.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Coreanos querem ajudar a viabilizar Terminal Graneleiro Oceânico do RN

Seul, Coréia - O Secretário de Energia e Assuntos Internacionais, Jean-Paul Prates, obteve hoje a manifestação de interesse do grupo coreano P&P Korea, especializado em soluções portuárias e marítimas, e construtor da maior parte dos principais estaleiros daquele país, para estudar o caso do terminal graneleiro do RN quanto ao calado, ventos e correntes da costa potiguar, com vistas a contribuir com uma sugestão tecnica e ambientalmente correta para a construção e operação do porto.

O secretário reuniu-se com o Vice-Presidente do grupo, o PhD em engenharia e tecnologia portuária Ian Kim, em Seul, esta manhã (horário do Brasil) - noite de quarta já, na Coréia. O executivo tem experiência de mais de 40 anos na concepção de projetos para portos de difícil acesso e é considerado o maior especialista do país em soluções para calado raso. Segundo ele, não é incomum o caso do Rio Grande do Norte, e é perfeitamente possível conceber, construir e operar um Terminal Graneleiro Oceânico em área de calado raso, desde que se tenha um ponto da costa onde exista um canal natural de calado maior - como vem a ser o caso de Porto do Mangue-RN, onde este canal encontra-se 15km mar adentro.

A proposta conceitual do especialista é a construção de uma "ponte oceânica" pela qual caminhões ou vagões acessariam o atracadouro principal que estaria localizado sobre o talude onde o canal de calado profundo se encontra. O uso de ramal ferroviário ou mesmo rodoviário é apontado como a melhor forma de escoamento dos granéis, combinado com um sistema de dutos agregado à ponte, para escoamento dos produtos derivados de petróleo, por exemplo.

Com isso, Ian Kim descarta a alternativa de correia transportadora, afirmando que a experiência mostra que para distâncias longas (no caso do RN, seriam pelo menos 13-15km mar adentro), este tipo de equipamento mostra grande potencial de avarias, especialmente em ambiente de alta salinidade.

Da conversa com o Secretário, surgiram conceitos adicionais para o aproveitamento da ponte oceânica, como a instalação de aerogeradores offshore (de grande porte, 2-3MW cada), e a instalação de uma marina próximo à costa - que poderia se converter em mais um pólo turístico para o Estado e para a região litorânea norte.

Perguntado sobre os prováveis impactos ambientais de tal projeto, o especialista afirmou que as técnicas deste tipo de construção hoje em dia permitem manter o fluxo marinho de forma a preservar a fauna e a flora, e não afetando as áreas de mangue, praias ou dunas localizadas na vizinhança do porto. Ele informou também que, no seu conceito, toda a estocagem de produtos deve permanecer na área de terra firme, sendo despachada para o ancoradouro apenas nos momentos próximos a cada embarque, evitando a estocagem offshore.

O Secretário de Energia deixou em aberto os próximos passos quanto à questão, explicando que terá que se reunir com os novos secretários das áreas envolvidas (Infra-estrutura e Desenvolvimento Econômico) para definir sobre o interesse em receber a visita dos especialistas coreanos a fim de prepararem um projeto conceitual para o Terminal Graneleiro Oceânico do RN. Jean-Paul Prates reiterou o interesse em receber uma proposição conceitual do projeto, sem compromisso por parte do Governo do Estado, o que foi prontamente aceito e será enviado brevemente para iniciar possíveis conversas sobre parcerias com os coreanos na solução deste desafio técnico-tecnológico que a própria Coréia já enfrentou tantas vezes.

O especialista agregou ainda que é muito bom que o Estado tenha condições naturais tão favoráveis, especialmente porque o calado raso, as correntes contra-postas e os ventos constantes tornam a costa potiguar um local extremamente aproveitável do ponto de vista econômico - para o turismo, os esportes náuticos, mergulho, aquacultura e pesca, criação de fauna e flora marinha, geração de energia eólica, exploração do subsolo offshore com lâmina d'água rasa, transporte de cargas, manutenção de equipamentos marítimos, e muitas outras atividades passíveis de implantação em regiões de calado raso e regime de marés previsível, como é o caso do RN.

"É muito mais raro e melhor ter uma costa assim, do que o contrário: ou seja uma costa naturalmente favorável para um porto profundo, mas sem mais nada a agregar. O RN tem que dar graças a Deus por ter um litoral assim, pois existe tecnologia e engenharia civil marítima para resolver os problemas de acesso, mas ninguém pode criar praias, dunas, ventos e sol como os que o RN tem." - afirmou, sorridente, o especialista coreano.

sábado, 4 de abril de 2009

Secretário chega à Coréia para encontros com investidores, governo e parlamento.

O Secretário de Energia e Assuntos Internacionais do Estado, Jean-Paul Prates, já se encontra na Coréia onde, a partir desta segunda-feira iniciará uma série de visitas às principais empresas do país, com interesse nas áreas de energia, petróleo, gás, biocombustíveis, fontes renováveis (eólica e solar), estaleiros/portos e meio ambiente. Na lista estão: Samsung Heavy Industries, Korea Gas Corporation (Kogas), DaeWoo DSME, DSME E&R (Gas), Korea Petroleum Company, Dai Sung Energy, LG-CNS e Doosan Heavy Industries (Eólica).


Além das visitas a potenciais investidores, o Secretário foi convidado pelo Ministério da Economia e do Conhecimento, a uma reunião com o staff do Ministério e audiência com o Ministro e com o Presidente da Comissão Nacional de Economia e Conhecimento.

Na quinta-feira, visitará a Assembléia Nacional onde será recebido por parlamentares da Comissão Energética daquela Casa.

Enquanto aguarda o início da semana, escreve sobre a tensão da espera sobre o lançamento do foguete norte-coreano, no Globo: http://oglobo.globo.com/blogs/petroleo/.

Ministro vê Rio do Fogo no painel de controle da Iberdrola em Madri

Mais uma vez, o RN foi o destaque da Missão Governamental Brasileira sobre energia eólica na Espanha. Nesta sexta-feira, na visita ao Centro Mundial de Controle e Monitoramento dos Parques Eólicos da Iberdrola Renováveis, na capital espanhola, o Ministro de Minas e Energia Edison Lobão e o Secretário de Energia do Estado, Jean-Paul Prates, juntamente com outras 40 pessoas (membros da delegação brasileira e representantes do governo espanhol e de empresas daquele país), receberam explicações técnicas e viram as demonstrações de controle do vento e de funcionamento dos equipamentos dos parques da empresa espalhados por todo o mundo.

A partir de um monitor do tamanho de uma parede, a curiosidade é que todas as explicações foram dadas mostrando dados em tempo real do parque eólico de Rio do Fogo (RN, Brasil). Os presentes puderam ver Rio do Fogo pelas câmeras de monitoramento de vários ângulos, e acompanharam, em tempo real, as medições de vento no local e o controle técnico de cada um dos aerogeradores - tudo dali mesmo, da sede da empresa, no centro de Madri.

Rio do Fogo não decepcionou, e mesmo em dia de "vento fraco" - segundo o Gerente do Centro de Operações, Gustavo Moreno - pôde-se constatar que o parque potiguar mantinha todos os seus aerogeradores girando, confirmando sua condição de parque mais rentável dentre todos da Iberdrola no mundo. O ministro ficou bem impressionado, assim como toda a audiência. E concedeu entrevista às televisões locais em frente ao painel que mantinha o RN em destaque.

Obs.: Estamos recebendo as fotos da cerimônia e da visita, que serão aqui publicadas logo que chegarem. Na foto disponível, vê-se o painel.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

RN e CE podem implantar Pólo Industrial Bilateral EólicoExtraído de: Governo do Estado do Rio Grande do Norte

Os governos do Rio Grande do Norte e do Ceará pretendem estimular a criação de um Pólo Industrial Bilateral Eólico para os dois estados. O secretário de Energia e Assuntos Internacionais do RN, Jean-Paul Prates, acertou com o coordenador de Energia da Secretaria de Infra-Estrutura do Ceará, Renato Rolim, a montagem de um grupo de trabalho para estudar, conjuntamente, a estruturação do pólo, que seria delimitado entre os municípios de Mossoró/Baraúna (RN) e Aracati (CE). O acordo foi acertado esta semana durante missão do Brasil à Espanha, que conta com a representação do Governo do Estado.

O fundamento para o projeto é o fato de este ser o ponto central entre as duas áreas de maior potencial eólico do Brasil: o Litoral Leste cearense e a Costa Branca potiguar (Tibau-Touros). "A depender da escala de demanda que tiverem, as fábricas de equipamentos eólicos precisarão se instalar perto dos seus clientes primordiais. Os dois estados, em conjunto, podem promover muito melhor estes investimentos e evitar competição predatória e guerra fiscal", afirma Prates.

Os dois estados vão dar imediatamente início às discussões e, a partir de um pré-projeto, os dois governos irão finalizar um pacote de benefícios conjuntos e promover o empreendimento junto aos investidores, que deverão enxergar vantagens em se ter, nesta região, fatores como acesso por meio de estradas retas - importantes no transporte dos gigantescas peças de aerogeradores, tanto pás como torres - gás natural acessível (Gasfor), água e energia, área disponível, equidistância dos portos e aeroportos dos dois estados e mão-de-obra qualificável.

"Mais do que um complexo industrial comum, queremos fazer do pólo industrial um conceito de parceria bilateral inédito no Brasil, entre dois estados vizinhos. Queremos pensar conjuntamente sobre os incentivos, atributos estruturais e insumos a serem disponibilizados. Queremos uma parceria firmada para pelo menos 10 anos, que dê segurança e vantagem competitiva aos empreendedores que escolherem o local para sediar suas indústrias de equipamentos eólicos", afirma o secretário.

O entendimento ocorreu na presença do Ministro Edison Lobão e do Presidente da EPE (entidade que está encarregada de elaborar a regra dos leilões da eólicas), Mauricio Tolmasquim, durante almoço da delegação governamental brasileira que visita o setor eólico espanhol, em Madri, nesta quinta-feira.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

RN e CE estudarão implantação de Pólo Industrial Bilateral Eólico

O Secretário de Energia e Assuntos Internacionais do Estado do Rio Grande do Norte, Jean-Paul Prates, acertou com o Coordenador de Energia da Secretaria de Infra-Estrutura do Ceará, Renato Rolim, a montagem de um grupo de trabalho para estudar, conjuntamente, a estruturação de um Pólo Industrial Bilateral Eólico (PIBE) entre o Rio Grande do Norte e o Ceará. O local seria delimitado na região divisória dos municípios de Mossoró (RN) e Aracati (CE).

O fundamento para o projeto é o fato de este ser o ponto central entre as duas áreas de maior potencial eólico do Brasil: o Litoral Leste cearense e a Costa Branca potiguar (Tibau-Touros). "A depender da escala de demanda que tiverem, as fábricas de equipamentos eólicos precisarão se instalar perto dos seus clientes primordiais. Os dois estados, em conjunto, podem promover muito melhor estes investimentos e evitar competição predatória e guerra fiscal" - afirma Rolim.

Os dois estados vão dar imediatamente inicio às discussões e, a partir de um pré-projeto, os dois Governos irão finalizar um pacote de benefícios conjuntos e promover o empreendimento junto aos investidores, que deverão enxergar vantagens em se ter, nesta região, fatores como: acesso por meio de estradas retas - importantes no transporte dos gigantescas peças de aerogeradores, tanto pás como torres - gás natural acessível (Gasfor), água e energia, área disponível, equidistância dos portos e aeroportos dos dois Estados e mão-de-obra qualificável.

"Mais do que um complexo industrial comum, queremos fazer do PIBE um conceito de parceria bilateral inedito no Brasil, entre dois estados vizinhos. Queremos pensar conjuntamente sobre os incentivos, atributos estruturais e insumos a serem disponibilizados. Queremos uma parceria firmada para pelo menos 10 anos, que dê segurança e vantagem competitiva aos empreendedores que escolherem o local para sediar suas indústrias de equipamentos eólicos", afirma Jean-Paul Prates, Secretário de Energia e Assuntos Internacionais do Estado do Rio Grande do Norte.

O entendimento ocorreu na presença do Ministro Edison Lobão e do Presidente da EPE (entidade que está encarregada de elaborar a regra dos leilões da eólicas), Mauricio Tolmasquim, durante almoço da delegação governamental brasileira que visita o setor eólico espanhol, em Madri, nesta quinta-feira.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Governo de Navarra (Espanha) virá ao RN em maio para assinar acordo de cooperação em eólicas

Pamplona, Espanha - Os governos estaduais do Rio Grande do Norte e do departamento de Navarra (Espanha) iniciaram hoje conversas formais para a elaboração de um acordo de cooperação visando o desenvolvimento conjunto de políticas públicas de incentivo à geração energética a partir das fontes renováveis eólica, solar e biomassa.

Os entendimentos iniciais e o consenso em torno das sinergias entre os dois estados foram estabelecidos hoje pela manhã entre o Secretário de Energia e Assuntos Internacionais do RN, Jean-Paul Prates, e o vice-governador e Secretário de Fazenda de Navarra, Álvaro Miranda Simavilla, durante a visita ao Centro Nacional de Energias Renováveis - CENER, em Pamplona.

O Reino de Navarra foi um dos reinos medievais da Europa, com território no norte da península Ibérica e no dos Pireneus ocidentais. Foi um dos núcleos da resistência cristã que se formaram no norte, frente ao domínio islâmico da península Ibérica. Após um período de dominância compartilhada entre os reinos vizinhos de Castilha e Aragão, além dos franceses, Navarra se incorpora à Coroa de Castilha em 1512 tornando-se um dos reinos fundadores do que vem a ser atualmente a Espanha.

Navarra é atualmente um departamento (equivalente a estado) do Reino de Espanha, e há 25 anos iniciou um intenso trabalho em prol das energias renováveis, consolidando-se como referência mundial a respeito, nos dias de hoje. O estado cobre 65% de sua demanda energética a partir de fontes renováveis, sendo 46% de energia eólica. Para 2010, Navarra projeta um atendimento da ordem de 75% da demanda a partir das fontes renováveis. Além dos parques eólicos, o estado soube incentivar e desenvolver um impressionante pólo industrial de fabricação de equipamentos eólicos acompanhado de um centro de excelência em pesquisas nesta área. Em 2003, o estado recebeu o título de "melhor política regional de apoio ao desenvolvimento de energias renováveis" por parte da União Européia.

Os governos do Rio Grande do Norte e de Navarra elaborarão, a partir desta semana, uma agenda comum de questões críticas com vistas a firmar, já no inicio de maio - em Natal - um acordo de cooperação para desenvolvimento de políticas de apoio às energias renováveis. "Já marcamos na agenda a semana de 5 a 8 de maio para visitar o Rio Grande do Norte e fazer uma explanação sobre nossas experiências durante o Forum Nacional de Energia Eólica que ocorrerá nesta época, em Natal" - declarou o Vice Governador Álvaro Simarvilla.

Segundo o Secretário Jean-Paul Prates, as sinergias existentes entre os dois estados permitem projetar grandes resultados de mútuo interesse no campo da energia eólica e solar. "Apesar de estarmos em estágios diferentes do desenvolvimento de nossos parques e centros de pesquisa, estamos certos de que ambos ganharão muito com o intercâmbio. De nossa parte, teremos muito a aprender e poderemos queimar etapas na concepção e implementação de políticas públicas de incentivo ao setor".

Na mesma linha, o Secretário norte-riograndense alinhavou com os diretores do Centro Nacional de Energias Renováveis - CENER, que tem três sedes operacionais em Navarra, um possível acordo de cooperação similar a ser discutido e finalizado com o CT-Gás cuja expansão foi recentemente definida com vistas a abranger as energias eólicas a partir deste ano.

As visitas às unidades do CENER, em Pamplona e em Sarrigurén, foram acompanhadas, com interesse, pelo Ministro de Minas e Energia Edison Lobão, que lidera a delegação brasileira em visita à Espanha. Os visitantes conheceram instalações de testes de motores (trem de potência) e um mega-laboratório de testes de pás aerogeradoras, com capacidade para testar unidades com até 60 metros de comprimento. "Temos orientação, de parte da Governadora Wilma de Faria, para lutar pelo desenvolvimento coerente e efetivo do setor eólico no Rio Grande do Norte. E isso se faz, a nosso ver, com uma integração eficiente entre investidores-operadores, fornecedores, pesquisadores e governo. É isso que viemos ver em Navarra e que vamos implementar no RN", afirma Prates.
.