titulo

SustentHabilidade

Opinião e realizações

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Visita de potenciais investidores no Terminal Pesqueiro de Natal

Estivemos ciceroneando, na semana passada, a visita do representante de um grupo espanhol interessado em realizar investimentos complementares no Terminal Pesqueiro de Natal.  O grupo PescaNova, sediado em Vigo (Espanha) é um dos maiores grupos da indústria pesqueira do mundo: cf. em http://www.pescanova.com

Além do Secretário de Energia e Assuntos Internacionais, a  visita do representante Angel Diaz foi acompanhada pelo Secretário de Agricultura e Pesca, Francisco das Chagas e pelo Sub-Secretário de Pesca e Aquicultura, Antonio-Alberto Cortez (foto) juntamente com o empresário potiguar José Ivan Fernandes que assessora o grupo espanhol. 

Os espanhóis, em especial, os da região da Galícia (Vigo) são grandes operadores de pesca oceânica juntamente com os japoneses. Ambos reconhecem na costa do RN condições excepcionais para a pesca industrial. Tanto que somos um verdadeiro pólo pesqueiro do Atum e da Meca (peixe parecido com o atum).

No entanto, por falta de um porto especializado que agregue as indústrias de beneficiamento deste pescado, este peixe é todo exportado em estado bruto, ou seja, sem qualquer agregação de valor - ou pescado em alto mar, processado no próprio navio e remetido aos países consumidores sem passar pelo território brasileiro. 

O mais curioso é que, muitas vezes, o atum que compramos em latinhas em supermercado pode ter sido pescado aqui, enviado in natura para a Europa, industrializado lá e depois trazido de volta para ser vendido no Brasil por um preço muitas vezes maior do que o que foi comprado aqui.

A Governadora Wilma encampou a luta para reverter esta situação, abrindo mais esta vocação econômica no Estado, construindo um novo porto especializado só para barcos pesqueiros e abrindo espaço para diversas indústrias para beneficiamento do pescado, ou seja, o atun pescado aqui vai ser processado e nós é que vamos exportar as latinhas com ele já pronto para o consumo fino. E os empregos... serão gerados aqui e não na Europa, que já tem muitas outras opções.

Além da industrialização do pescado, o Governo Estadual estima criar um outro pólo para atender a manutenção, consertos e abastecimento dos barcos de pesca (muitos de bandeira internacional) que frequentam nossa costa e que, por falta deste tipo de estrutura aqui, têm que recorrer a portos de outros países, percorrendo longas distâncias, para fazerem manutenção.

Com o terminal, os barcos virão para cá e, com eles, os milhares de empregos diretos e indiretos gerados com toda esta movimentação econômica.

A Governadora espera, agora, a acolhida da bancada para esta emenda (que é de continuidade de emenda já aprovada para 2008) e de outras de igual importância. 

Nenhum comentário:

.